Governo do Estado publica edital para concessão da ERS-324 por 30 anos

2 de junho de 2022 • Cidades, Destaque, Estado, Marau, Passo Fundo, Trânsito • Visualizações: 233

O edital para a concessão de 414,19 quilômetros do bloco 2 de rodovias do programa RS Parcerias foi publicado na edição desta quinta-feira (02) do Diário Oficial do Estado.  As garantias das propostas devem ser entregues até 29 de agosto na B3, a Bolsa de Valores brasileira.

O vencedor do certame licitatório deverá ser conhecido em 1º de setembro. O leilão do bloco 2 terá como critério o menor valor de tarifa de pedágio, sem limite de desconto, porém, com exigência de aporte de capital próprio a cada ponto percentual de deságio.

No total, durante os 30 anos do período de contrato, deverão ser investidos R$ 4,1 bilhões em ampliações e melhorias que proporcionarão maior fluidez do trânsito e segurança aos motoristas.

O bloco compreende trechos das rodovias ERS-128, ERS-129, ERS-130 e RSC-453, localizadas no Vale do Taquari, e das estradas ERS-135, ERS-324 e BR-470, que conectam Nova Prata, situada no Alto Taquari, à cidade de Erechim, no Norte do Estado.

As praças de pedágio na ERS 324 estarão localizadas no Km 195 em Passo Fundo e a segunda em Nova Bassano no Km 279, com estimativa de Tarifa máxima no valor de R$ 9,64.

O futuro concessionário terá a obrigação de duplicar cerca de 282,7 quilômetros de rodovias. Também há previsão de construção de 48 passarelas e 141 dispositivos de interseção. Entre os destaques das obras, estão a duplicação da ERS-324, no trecho entre Passo Fundo e Marau, conhecido hoje como Rodovia da Morte, e a duplicação da ERS-130 entre Lajeado e Arroio do Meio.

Após as contribuições feitas no período de consulta e audiência pública, foram incluídos no projeto o contorno de Nova Araçá, 11 passagens de fauna, 18,4 quilômetros de vias marginais e 10 quilômetros de ciclovias, entre outros investimentos que totalizaram um acréscimo de R$ 400 milhões na modelagem final do projeto.

Durante os estudos para a modelagem do edital, realizados pelo governo do Estado com o apoio do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), ficou constatado que, atualmente, 25% da extensão das rodovias que compõe o bloco 2 não tem acostamento (105 quilômetros) e em 39% da extensão a largura do acostamento está fora da norma (161 quilômetros).

Foto: Everaldo Felini – Arquivo Revista Graffos/2019

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *