Sílvio Borghetti

1 de agosto de 2022 • Cidades, Destaque, Entrevista, Marau, Rural • Visualizações: 197

Na sede do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Marau conversamos com o presidente da entidade Sílvio Borghetti que comentou como tem sido o seu trabalho sindical nos últimos anos dizendo que é uma satisfação estar à frente da entidade que vem crescendo a cada ano no número de associados, “isso é uma inovação pois é muito importante nos adaptarmos aos nossos associados, pois hoje temos associados que vivem da subsistência e outros que são empreendedores. Então eu fico feliz porque a gente está inovando com ações importantes para ajudar e facilitar também o dia a dia, o empreendedorismo, no meio rural”, enfatiza o dirigente sindical.
As inovações segundo o presidente são duas, uma é um serviço que o STR presta ao associado na área de ITR, CCIR, sendo a única entidade no município que tem essa senha do CCIR. Também foi implantado neste ano o sistema de Agronota Rural que é um software facilitador para o agricultor na hora de fazer a declaração de imposto de renda, sendo obrigatório acima de R$ 142 mil de venda bruta. Este sistema ajuda o produtor que não tem ainda essa habilidade, tanto em guardar as notas fiscais ou no controle do livro-caixa da propriedade. O sistema Agronota faz a busca na Secretaria de Fazenda (SEFAZ-RS) de tudo que o agricultor comprou com o seu CPF, então esse programa busca as notas e informa se a propriedade está tendo lucro ou prejuízo, ou seja, seria uma espécie de caixa para o produtor, que ao final do ano nos possibilita dar orientações a ele sobre o resultado, se for bastante expressivo, sugerimos que eles comprem, adquirem, ou façam algum investimento, afim de evitar no momento da declaração do imposto de renda, ter que pagar muito imposto. O nosso objetivo é que o produtor seja cada vez mais um empreendedor. A nossa agricultura tem volumes expressivos, mas a renda as vezes não é o esperado, e isso para o governo não interessa, se ele tem renda ou não, o que interessa é que ele tenha movimento e que o governo fique com a parte do imposto. Então esse sistema que foi implantado em 2022, é inovador e auxilia em muito os nossos produtores rurais.
Sílvio comenta que o número de associados, considerando os que estão em dia com a entidade, chega em torno de 1400 (associados de balcão e aposentados que descontam sua mensalidade junto ao banco), tendo acesso a todos os serviços prestados. “Estamos muito felizes em ter esse quadro social hoje, não só em Marau, mas também nas extensões de base nos municípios de Gentil e Nicolau Vergueiro. Isso nos engrandece e nos fortalece deixando-nos animados pra continuar fazendo um trabalho onde estou à frente a quase vinte anos, trabalhando incansavelmente para fortalecer cada vez mais a agricultura familiar dos municípios” enfatiza Sílvio Borghetti.
O STR trabalha em parceria com outras entidades e associações e são várias, entre elas, o poder público municipal, as cooperativas (Cotrijal, COASA), as de crédito (Cresol), Coprel, e também o STR está implantando um novo sistema, que é o cartão FETAG Mais, que oferece ao associado descontos especiais na área da saúde, em compras, como supermercados, lojas de produtos agropecuários, entre outras. Esse cartão, além de ser a identidade do agricultor, vai proporcionar descontos. “Essas parcerias são muito importantes para fortalecer o associativismo e o cooperativismo. Até o momento já foram emitidos e entregues aproximadamente quatrocentos cartões, onde o associado já pode usufruir desses benefícios, que serão ampliados nos próximos dias”, comenta o presidente.
Questionado sobre as principais fontes de renda dos associados do STR, o presidente da entidade nos disse que a nossa região é privilegiada por se ter uma diversificação da agricultura, sendo ela é bastante grande. “Nós temos uma bacia leiteira muito forte, mesmo com os desafios que sofre”. Conforme salientou Sílvio “diminuiu o número de produtores, mas a produção se mantém no mesmo volume. A avicultura é forte, com integrados da Aurora, JBS, BRF, Agro Araçá, Vibra… A suinocultura, hortifrúti e a produção de grãos de várias culturas, tanto de inverno como de verão, mesmo em pequenas propriedades ela prevalece. Nossa agricultura podemos classificar como muito diversificada e quando uma não se tem o resultado esperado outra acaba compensando a renda. Apesar de passar por desafios (estiagens e custos) a nossa agricultura no município de Marau podemos dizer que é invejável. Nossa entidade está sempre do lado do associado tanto nos momentos bons e nos ruins, como o da última estiagem que destruiu as culturas de verão e com a nossa intervenção conseguimos alguns benefícios como rebates e recursos com juros subsidiados”.
O Sindicato está próximo de completar seis décadas de fundação em 2023, Sílvio nos disse que irá marcar em breve uma reunião com toda a diretoria para buscar ideias e construir juntos uma programação comemorativa, pois ouvir o grupo é muito importante e a chance de errar é menor, complementa. “Estamos participando de alguns eventos de sindicatos que já completaram ou estarão completando 60 anos, como o de Tapejara, que irá comemorar a data nos próximos dias, para que com humildade poderemos copiar algumas coisas. A data é muito importante e precisa de antecedência para organizar uma boa programação, para comemoramos os 60 anos. É uma entidade de classe que passou por muitos governos, ditadura militar, momentos bons e ruins do nosso país, vamos comemorar sim, estes 60 anos, junto com nossos parceiros e associados que fazem parte desta longa história”.
Quanto aos principais anseios e dificuldade que os trabalhadores rurais enfrentam no momento, o presidente do STR disse que “vivemos um momento da economia bastante conturbado, percebemos que as incertezas freiam os investimentos, hoje o custo de produção é altíssimo, equipamentos para a área leiteira, de avicultura, suinocultura são bastante caros. Apesar das incertezas, sabemos que a produção de alimentos jamais vai parar. O atual momento não nos dá uma diretriz de qual a orientação correta devemos passar aos nossos associados. 2022 é um ano eleitoral também, e queremos de nossos governantes um equilíbrio para que não aconteça nada de anormal e prejudique o próprio povo, como uma palavra mal colocada, que acabe influenciando no dólar e em muitas outras coisas. Em qualquer situação, queremos cada vez mais fortalecedor a nossa agricultura familiar, para que o produtor tenha renda e não abandone a atividade, evitando a monopolização”.
Quanto à permanência do jovem na agricultura perguntamos como tem sido nos últimos anos, Silvio Borghetti nos disse que teve vários exemplos aqui no município do êxodo rural do jovem no passado, mas atualmente, tem muitos exemplos de jovem que se formaram em um curso superior e hoje exercem atividades na propriedade rural, estão se dando bem. O jovem agricultor é muito visado pelas empresas urbanas, por ser um trabalhador pujante, comprometido, responsável e honesto. Só que hoje o jovem também tem que pensar em investir no meio rural, para ser o dono da sua própria empresa. Sabendo disso, estamos buscando criar modelos de atividades para evitar o êxodo rural, e para isso precisamos do apoio do poder público municipal, estadual e federal, para criar o mecanismo certo para o jovem retornar para o meio rural. Muitas vezes o jovem tem vocação para as atividades do campo, mas ele não é incentivado e acaba permanecendo em trabalhos na área urbana, mesmo não tendo condições de ter a sua casa própria, vivendo no aluguel, pois apesar de a cidade oferecer mais oportunidades e recursos também existem dificuldades no meio urbano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *