Carta aberta ao Presidente

25 de junho de 2019 • Antônio Borella De Conto, Colunistas • Visualizações: 106

Vou dispensar protocolos e inicio Presidente Jair Messias Bolsonaro, desejando-lhe tudo o que houver de bom e isto também desejo ao Brasil.
O senhor está enfrentando sérias dificuldades nestes primeiros cinco meses de Governo. Quanto às dificuldades com a oposição nada a estranhar. No mesmo instante que foi proclamada sua vitória nas urnas, pipocaram Brasil afora promessas de resistência e de empecilhos ao seu mandato. Normal, qualquer governo em qualquer esfera tem que estar preparado para enfrentar, oposição mais, ou menos vigorosa. Até porque sem oposição pode-se fazer o que bem entender e isto é bom para o governante, mas, não para os governados.
Se a oposição ao seu governo é com intuito de destruí-lo a qualquer preço e ainda há o fogo amigo daqueles que o ajudaram a se ele eleger e cuja ambição é maior do que o amor ao Brasil, não há necessidade nenhuma de criar por conta própria e dos seus mais íntimos (familiares e auxiliares) entraves a sua Administração. E que estragos eles estão fazendo.
O senhor deve dizer e explicar bem aos seus filhos, todos com cargos eletivos em legislativos, que a maioria do povo brasileiro elegeu para Presidente, Jair Messias Bolsonaro e não a família Bolsonaro. Que eles, cada um, exerça bem sua função de vereador (RJ), deputado esta- dual (SP) e senador, que parem de dar pitacos, muitos deles inconvenientes e infelizes, no Poder Executivo Federal. Quanto às acusações contra o Flávio deixe que as investigações sigam o seu rumo, que se ele nada deve sairá inocente do caso. Impedir fica muito feio, pois quem não deve não teme.
Seria bom dizer ao Olavo de Carva- lho, que é muito cômodo ficar a milhares de quilômetros daqui, atacando muitas pessoas idôneas, com um repertório de palavrões próprios de bordéis da mais baixa categoria. Avise que mexer com militares não é de bom tom. Como alguém que viveu e é do meio deve saber qual a reação de um fardado ante ofensas descabidas.
Há também alguns Ministros que devem deixar de ser tão folclóricos e um pouco mais realistas. Quanto ao senhor, penso que o mais correto é pensar e depois falar, é consultar os técnicos e depois decidir. Isto de por a carreta na frente dos bois nunca deu certo.
Dos que lhe deram o voto, uma parcela, queria ver o PT fora do Poder. Mas, não se engane a Hidra de Lerna tinha muitas cabeças. Cortavam uma, nasciam duas e somente Hércules conseguiu matá-la. E o Hércules brasileiro não é especificamente alguém, serão aqueles que mantêm a crença que este Brasil pode mudar. Comece a mudança, mudando aquilo que deu errado nestes primeiros cinco meses de Governo. Ainda há tempo.
Atenciosamente, um cidadão que quer um Brasil melhor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *