Comissão Especial do lixo aponta: mais de R$ 680 mil deverão ser devolvidos

21 de dezembro de 2015 • Cidades, Marau • Visualizações: 1425

A Comissão Especial formada para avaliar e investigar suposto superfaturamento no contrato de recolhimento de lixo em Marau concluiu seus trabalhos e apontou irregularidades no valor de 57.042,00 por mês. Os integrantes da Comissão processante, Natália Kunz Caselani, Andreia Simone Brocco e Fábio Félix Antunes entregaram relatório ao prefeito Josué Longo, ainda em outubro, confirmando as irregularidades apontadas pelo Controle Interno do Município e opinando pela devolução da diferença de valores entre o contrato vigente e o apurado pela comissão. O montante a ser devolvido supera os R$ 680 mil reais.

Os integrantes da Comissão processante foram ouvidos na manhã desta segunda feira (21), na Câmara de Vereadores. Durante aproximadamente meia hora eles responderam perguntas dos vereadores que integram a comissão do lixo.

Presidente da comissão, o parlamentar Iura Kurtz (PMDB), explica o trabalho realizado. “Nosso objetivo é ajudar a elucidar os fatos. Procuramos ouvir as partes envolvidas e também o Controle Interno da Prefeitura, que primeiro apontou a existência de possíveis irregularidades”. De acordo com o relatório que será divulgado em breve pela comissão, elas de fato existem. Esta também foi a conclusão a qual chegou o grupo de estudos que foi formado no Poder Executivo.

O valor original do contrato da Prefeitura de Marau com a empresa prestadora do serviço de coleta e destinação do lixo é de aproximadamente R$ 275 mil por mês. Porém, após nova revisão de planilhas, realizada ainda no mês de setembro, chegou-se ao valor de R$ 218 mil como aquele que, inicialmente deveria ser pago pelo serviço. Isso significa que mais de R$ 57 mil mensais foram pagos de maneira irregular, por cerca de um ano. No total, seriam mais de 680 mil reais pagos a mais no contrato. Este valor, segundo a comissão legislativa, deverá ser devolvido aos cofres públicos. “Como vereadores, nosso papel é fiscalizar e trabalhar para que este dinheiro seja devolvido com a maior brevidade possível, depois dos trâmites legais.

A comissão deverá se reunir novamente no dia 28 de dezembro e depois ocorrerá o recesso no mês de janeiro, retomando os trabalhos em fevereiro de 2016. Ainda fazem parte dela os vereadores Silvio Borghetti (vice-presidente), Elisabete Dall’Acqua Alban (relatora) e Matheus Fernandes da Silva.

Tags,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *